A proteção solar que mata os corais

Publicado em:
17/1/2019
No items found.

O verão chegou, e o sol, cada vez mais quente por conta da nossa destruição à camada de ozônio, vem dar o ar da graça! E a primeira coisa que fazemos é? Besuntar o nosso corpitcho de protetor solar. Apesar de existirem outras diversas maneiras de nos protegermos do sol, como falamos no episódio de Verão com Menos 1 Lixo aqui embaixo, o protetor solar é, sim, fundamental e não pode ficar de fora da sua nécessaire de verão.

 

Tá bom, mas onde queremos chegar? Respira fundo que aí vem baque.

Além das embalagens de plástico que duram uma eternidade na natureza, o protetor solar pode causar danos irreversíveis pro meio ambiente, principalmente pra vida marinha e também pra sua saúde. Basicamente, existem dois tipos de protetores solares, o tipo físico (ou mineral) e o tipo químico. Já dá pra adivinhar qual é o veneno, né?

Os best sellers das prateleiras das farmácias são do tipo químico, que possuem em sua fórmula uma combinação de alguns dos seguintes ingredientes: oxibenzona, homosalato, ensulizole, 4-metilbenzilideno-cânfora e octinoxato (anota aí que vamos voltar neles depois). Já o protetor solar físico, não tão popular assim, é composto por óxido de zinco e/ou dióxido de titânio, entre outros ingredientes.

Se você não tá por dentro desse assunto, você provavelmente usa um protetor solar químico, com alguns desses ingredientes que listamos acima.

Mas, afinal, qual é o problema?

Pra explicar melhor, trouxemos essa tabelinha feita pela querida Nyle Ferrari, que conta direitinho o perigo de cada ingrediente:

Oxibenzona (benzophenone-3): polui os oceanos, pode ser absorvida pela pele e está relacionada a distúrbios hormonais. Seu uso é proibido na Suíça.

Homosalato (homosalate): pode ser absorvida pela pele e desequilibrar hormônios como estrogênio e progesterona.

Ensulizole (phenylbenzimidazole sulfonic acid): de acordo com o EWG, está relacionada ao câncer, apesar de ser um ingrediente de médio risco.

4-metilbenzilideno-cânfora (4-methylbenzylidene camphor): de acordo com o EWG, também relacionado a distúrbios endócrinos.

Octinoxato (ethylhexyl methoxycinnamate): alergias e distúrbios hormonais, de acordo com o EWG.

Todos esses ingredientes estão associados com algum risco à saúde humana, porém um deles, a Oxibenzona, também está associado à poluição marinha, mais especificamente dos recifes de corais. A substância química faz o coral se enclausurar em seu próprio esqueleto, levando-o à morte. Os recifes de corais são muito importantes, já que são habitat de diversas espécies de peixe e protegem cidades costeiras das tempestades que surgem em alto mar. Cerca de 25% da vida marinha depende dos corais, segundo dados do Aquário Nacional Americano.

Estima-se que 6 MIL a 14 MIL toneladas de protetor sejam liberadas em área de recife de coral todos os anos.

Um estudo chefiado por cientistas do Aquário Nacional Americano, e da Agência Nacional Oceânica e Atmosférica concluiu que 10% dos corais do mundo estão em risco por conta dos protetores solares.

“O uso de produtos contendo oxibenzona precisa ser seriamente deliberado nas ilhas e em áreas onde a preservação dos recifes de coral é uma questão crítica", advertiu o principal autor do estudo, Craig Downs.

Em julho do ano passado, o governador do Havaí, assinou uma lei que proíbe a comercialização de protetores solares com substâncias químicas que comprovadamente são prejudiciais aos corais.

Mas e aí, é melhor não usar protetor solar ou fazer o meu próprio? Não recomendamos jamais que você faça qualquer DIY de protetor solar em casa, tá? Você pode comprar um protetor solar físico, que normalmente são mais caros, ou então optar por um que não contenha a oxibenzona (que polui os oceanos) e algum outro ingrediente que mais te assustou na composição. E pra te ajudar nessa tarefa, a Nyle Ferrari também fez uma lista com dezenas de protetores solares, e suas avaliações, pra te ajudar a escolher o melhor pra você! É importante entender que não existe - ainda - uma alternativa perfeita, harmônica com a nossa saúde e com a dos oceanos, mas é fundamental pesquisar e entender as menos prejudiciais. Dá uma olhada no nosso episódio sobre protetores solares e o que as meninas do conteúdo usam como alternativa pra se inspirar :)

Menos 1 Lixo
Por:
Gostou do texto?
Compartilhe nas redes sociais esse conteúdo que você acabou de ler e ajude a espalhar a mensagem!
Sobre o movimento

Em 1º de Janeiro de 2015 nascia o Menos 1 Lixo, um desafio pessoal da Fe Cortez, de produzir menos lixo e provar que atitudes individuais somadas constroem um mundo mais sustentável.

Nossas redes
Editorias
Tags em destaque

VOCê TAMBÉM PODE GOSTAR DE:

Vamos Juntas!

Assine a nossa Newsletter e fique por dentro de tudo que acontece no Menos 1 Lixo!
Obrigado! Sua inscrição foi feita com sucesso!
Oops! Something went wrong while submitting the form.