Especial Água | Tudo o que você joga fora vai pros oceanos

19/3/2018

Quantas vezes você já parou pra pensar pra onde vai o esgoto da sua casa? Em setembro do ano passado, a Agência Nacional de Águas (ANA) divulgou uma análise bem completa da situação de saneamento básico nos 5.570 municípios brasileiros e de todo o impacto que o tratamento do esgoto gera pro meio ambiente. O Atlas Esgotos - Despoluição de Bacias Hidrográficas mostrou que 81% desses municípios despejam pelo menos 50% do esgoto todos os dias em rios, córregos, riachos, ou seja, qualquer curso de água fluente sem qualquer tipo de tratamento. Segundo Sergio Ayrimoraes, superintendente de Planejamento de Recursos Hídricos da ANA, pela primeira vez se entendeu o verdadeiro impacto da falta de saneamento pras águas brasileiras. Os números são bem sérios: quase 90% das cidades do Brasil tratam menos de 60% do esgoto e só 769 cidades alcançam um percentual maior, a maioria no sudeste. Isso significa que quase 70% dos municípios não tratam seu esgoto.

‍Fonte: Carta Capital[/caption]

 E a coisa é bem grave: todos os dias quase 6 mil toneladas de esgoto são jogados sem tratamento nos rios brasileiros. Segundo a BBC Brasil, se o esgoto fosse somente líquido, isso seria responsável por encher 2 mil piscinas olímpicas! O Conselho Nacional do Meio Ambiente classifica os rios do Brasil em 4 categorias: 0 quando ele é apto para ingestão da água e 4 quando é sujo demais e serve, quando muito, pra navegação. E nós temos 83 mil km de rios classificados como 4! Os rios com a situação mais crítica são os mais próximos aos centros urbanos.  

E quando a gente pensa em poluição no Brasil, qual é o primeiro nome que aparece na sua cabeça? O Tietê, né? 70% dos rios conectados a ele, que cruza todo o estado de São Paulo, são classificados na escala 4. Tietê significa, em tupi, água verdadeira. Só que não, né? Mas não é só o Tietê que é extremamente poluído. No Brasil, os Rios Ipojuca (PE), das Velhas (MG), Meia Ponte (GO), Paraíba do sul (MG/SP/RJ), Iguaçu (PR) e dos Sinos (RG) são muito sujos.  

Segundo algumas estimativas, cerca de 80 % dos detritos encontrados no ambiente marinho têm origem em atividades realizadas em terra. A origem do lixo marinho não está necessariamente limitada às atividades humanas localizadas no litoral, mas também às inundações, os ventos e os rios transportam todo o lixo para o mar. Além  das plataformas petrolíferas, do transporte marítimo. O Plano Nacional de Saneamento definiu em 2013 que o prazo pra universalizar o tratamento de esgoto no país é em 2035. Só que tá muito longe, né? E por que demora tanto? Por que tudo é tão poluído? Porque é muito mais fácil e barato "jogar fora" na água do que montar uma estrutura de planejamento e tratamento de água. Só que é um barato que sai caro. Só no estado do Rio, se despeja 860 toneladas de esgoto e, desse número, 567 vão pros oceanos sem tratamento. E isso certamente volta pra população.  

Mas nem precisa pensar “só acontece no Brasil”, não! Segundo o relatório da ONU sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos, mais de 80% das águas que recebem esgoto doméstico e industrial não são tratadas e vão para rios e oceanos do mundo todo. E é por isso que a campanha Mares Limpos lançada pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, da qual a Fe Cortez é embaixadora, é tão importante, porque se trata de uma iniciativa global pra cobrar do setor público e privado medidas efetivas contra esse cenário e todo o tipo de poluição marinha. Hoje, estima-se que mais de 80% do lixo nos oceanos é plástico e que eles vão dominar o ambiente em 2050, superando o número de peixes. E já são 51 trilhões de microplásticos nas águas, ou seja, 500 vezes mais do que as estrelas no céu. E isso envolve todo o lixo que você joga na rua, por exemplo, porque quando vai parar nos bueiros, a chuva leva toda essa poluição pras águas que desaguam no oceano. A Fundação portuguesa Oceano Azul e o Oceanário d Lisboa montaram uma campanha chamada “O que não acaba no lixo acaba no mar” pra destacar a nossa responsabilidade pra todo esse cenário preocupante. Já pensou se cada um fizer a sua parte? Vamos juntxs cobrar das autoridades a transformação desse cenário e vamos convocar todxs nesse processo de       

 
 
 
Foto do banner: The Wasted Blog
Gostou do texto?
Compartilhe nas redes sociais esse conteúdo que você acabou de ler e ajude a espalhar a mensagem!
Sobre o movimento

Em 1º de Janeiro de 2015 nascia o Menos 1 Lixo, um desafio pessoal da Fe Cortez, de produzir menos lixo e provar que atitudes individuais somadas constroem um mundo mais sustentável.

Nossas redes
Principais tópicos
Tags em destaque

VOCê TAMBÉM PODE GOSTAR DE:

Vamos Juntx!

Assine a nossa Newsletter e fique por dentro de tudo que acontece no Menos 1 Lixo!
Obrigado! Sua inscrição foi feita com sucesso!
Oops! Something went wrong while submitting the form.