Por que criar visão de futuro nas organizações?

Por que criar visão de futuro nas organizações?

Publicado em:
22/7/2019
No items found.

“Não é especular sobre o que talvez ocorra, mas imaginar o que você de fato pode fazer acontecer.” 

__Gary Hamel

Nós, da cuidadoria, voltamos a este espaço de inspiração do Menos 1 Lixo e é uma grande alegria para nós! Hoje o tema é uma provocação em relação ao futuro (que trabalhamos também na nossa formação de líderes evolutivos) e que queremos compartilhar aqui com vocês, seguidores e entusiastas das causas da economia do cuidar, como é a causa de cuidado com o Planeta do Menos 1 Lixo, sua equipe e líderes. 

Muito do que fazemos nas nossas organizações  está mais para planejamento estratégico do que para a visão de futuro. E qual a diferença entre eles, se os dois olham para frente?

Enquanto o planejamento estratégico define uma série de ações a serem realizadas em um horizonte de curto, médio ou longo prazos que a organização se propõe para atender a sua estratégia, a visão de futuro dá uma direção.  Enquanto o planejamento serve para apoiar a organização a tomar decisões, gerir o tempo das pessoas e os recursos voltados ao negócio, (não importa o tamanho ou o setor da organização, se de um projeto, uma iniciativa ou um negócio social), a visão de futuro vai além: ela responde a o que a organização quer alcançar.

Especialistas dizem que sondar o futuro é típico em organizações em que a criatividade e a inovação recebem um papel prioritário. Tirar lições positivas do passado e entendê-las no momento presente é uma abordagem informal favorita.

A premissa básica é a de que uma visão de futuro é uma visão de futuro se é compartilhada por todos, como um farol que serve de guia para o barco. Ela alimenta e fortalece o propósito da organização (sua razão de existir). Tudo o que a organização cria, ela cria para atender ao seu propósito. Tudo o que a organização fizer hoje, ela faz em nome da sua visão de futuro. Infelizmente não é sempre bem assim...

As organizações, em geral, são muito boas em planejamento estratégico voltados à prosperidade e ao crescimento da empresa, pouco se preocupando com a visão de futuro, de fato. Quando muito, acompanham as tendências tecnológicas, do setor e do mercado, o futuro provável, aquele que pode acontecer.

Mas, sabemos, nenhum indivíduo isolado é capaz de absorver tudo o que está mudando no mundo, a inteligência coletiva pode fazer esse papel.

Ainda mais no contexto de mudanças no qual nos encontramos. Se costumávamos pensar em futuro de forma reativa criando planejamentos estratégicos, agora

a visão de futuro se tornou a própria estratégia do negócio.

Daí a sua relevância, pois o que importa mesmo em tempo de transição é a coragem de abandonar os velhos padrões conformistas de agir. Há um certo fator surpresa, inusitado, insólito, extraordinário que é preciso perseguir! A realidade é que nós estamos operando em um novo padrão. Tudo conectado a tudo como o novo padrão do mundo em rede vai alterando a maneira como as coisas funcionam, como fluem as informações, pessoas, comunicação, distribuição de produtos e serviços, mudam os comportamentos, muda a lógica do que chamamos de mercado.


Alguns indícios da fase que estamos, e porque é urgente olhar para o futuro são:


  • a complexidade se adensa e a nossa capacidade de resposta diminui.

Fica mais clara a interdependência entre os elementos que operam simultaneamente. Por exemplo, nas conversas, falas e na comunicação corporativa tem sido bem perceptível um movimento de líderes e organizações em torno de como lidar com dois desafios simultâneos: de um lado a necessidade de adaptar-se às novas tecnologias e inovações (as que já estão aí e aquelas que virão, mas como?); por outro, a necessidade de conhecimento, habilidades e ferramentas para responder de forma mais ágil não só às mudanças tecnológicas, mas seus impactos nas pessoas e suas relações, na gestão e na cultura organizacional. 


A tomada de decisão ficou mais difícil. Não importa o tamanho ou o setor, não importa a atividade. 

Quando o padrão tecnológico muda, os padrões de comportamento também se modificam. Não poderia ser diferente, ficamos submetidos a novas expectativas, novas exigências, novas narrativas, a que não estávamos acostumados antes. Pensamento exponencial, futuro do trabalho, cultura da inovação, transformação digital, novos modelos organizacionais. Manter-se informado, conhecer as tendências, nem isso mais parece ser suficiente. Preparar-se para o futuro virou um fardo! 

Não podemos deixar isso acontecer. Não pegaremos todas as ondas! A relevância do que fazemos também está na confiança que temos no que entregamos para as pessoas. As mudanças tecnológicas e tendências devem apoiar o propósito e a confiança no presente e não impedi-los.



  • aumenta a necessidade de termos a percepção mais clara do todo.

A expressão italiana “Calma, ma fare súbito!” ou seja, “Calma, mas faça rápido!” lembra esse paradoxo: de fato o contexto exige que nos mantenhamos em movimento e atentos, entretanto pede a calma indispensável para “perceber” na mais essencial acepção da palavra! 

Perceber do Latim percipere, de per = todo, completamente + capere = pegar, captar, agarrar.  Informação, estímulos, tendências estão nos dando a parte e as partes estão desconexas, é preciso captar o todo. O nosso luxo se tornou dar-se o tempo de qualidade para perceber sutilezas, relações e dinâmicas entre as coisas e aí sim, agir significativamente.


Cuidar do futuro nas organizações pede o tempo qualificado para ressignificar, reinventar-se e criar o que vale a pena criar.


Por que estimular as visões de futuro?


Propiciar ambientes para que as pessoas experimentem criar visões de futuro desejável é sempre uma excelente oportunidade para falar de sonhos para si, para seus projetos, iniciativas, comunidades, negócios e organizações. A visão de futuro gera sentimentos de engajamento e normalmente tiram as pessoas do lugar comum, outras motivações são ativadas.


Criar ambiente para imaginar uma visão de futuro compartilhada tem o poder de estimular as pessoas a falarem de mudanças positivas, a mudar a narrativa buscando soluções mais criativas e proativas. Parece uma mudança pequena, mas não é. Em uma ocasião ouvimos da gestora de uma organização: “É impressionante o efeito de começar falando de sonho, de imaginar em um horizonte que tudo deu certo, percebi outra postura em mim mesma e na minha equipe.” Visão de futuro ajuda a as pessoas a se relacionam em torno do seu próprio aprendizado, da própria organização, em torno da cultura da organização. 


Compartilhamos aqui algumas observações  e resultados da sistematização de criação de futuros que fizemos em várias ocasiões. Um ambiente criado para compartilhar uma visão de futuro nas organizações permite quase sempre ☺ :


  • revelar necessidades e desejos das pessoas; 
  • fortalecer o propósito da organização (ou apoiar para deixá-lo mais claro para todos);
  • questionar-se sobre como convergir objetivos das pessoas com os da organização;
  • estimular a criatividade e a inteligência coletiva;
  • dar um novo frescor no engajamento das equipes; 
  • tornar-se uma ferramenta estratégica poderosa para fortalecer a cultura organizacional;
  • ser um mecanismo para equalizar expectativas das pessoas em torno da energia do fazer de uma organização.


O que emerge desses encontros são elementos sempre muito interessantes. Em geral aparecem:


  • necessidades urgentes que as pessoas não têm naquele momento;
  • desejos relacionados com o seu próprio repertório de obviedades;
  • tendências e cenários já conhecidos e muito prováveis de acontecer.


E não raro, observamos as pessoas manifestarem:


  • sonhos que de fato conectam desejos pessoais com algum sonho maior e mais amplo que pode vir a ser o da organização como um todo;
  • visões de futuro positivas e criativas que combinam tendências e cenários prováveis;
  • imagens de futuro de fato inspiradoras que estão fora da categoria das tendências e cenários prováveis de acontecer.


A visão de futuro é engajadora, tem o poder de mudar como se criam comunidades em torno de uma ideia, de uma causa, conectando histórias das pessoas para além de uma marca. 


Portanto, olhar para o futuro como um futuro desejável revela o que desejamos e sonhamos. Partimos do aprendizado e desse lugar de onde estamos para realizar algo que nos move com confiança para além de nós mesmos e para além do nosso tempo, no futuro.

Alinhados com nosso propósito de cuidar do mundo a partir das pessoas e das organizações, nossa visão de futuro vai de encontro à economia do cuidar. Desejamos que possamos estar nas nossas organizações criando novas possibilidades para, de algum modo, cuidar, restaurar, regenerar, fazer evoluir a nossa consciência, alguém, o mundo.

E se respondêssemos juntos e com verdade, criatividade (e por que não, sensibilidade e poesia) à seguinte questão:

O que vale a pena ser alcançado enquanto algo que criamos e colocamos no mundo e que faz sentido para as pessoas a quem tocamos? 


Cuidadoria
Por:
Gostou do texto?
Compartilhe nas redes sociais esse conteúdo que você acabou de ler e ajude a espalhar a mensagem!
Sobre o movimento

Em 1º de Janeiro de 2015 nascia o Menos 1 Lixo, um desafio pessoal da Fe Cortez, de produzir menos lixo e provar que atitudes individuais somadas constroem um mundo mais sustentável.

Nossas redes
Editorias
Tags em destaque

VOCê TAMBÉM PODE GOSTAR DE:

Vamos Juntas!

Assine a nossa Newsletter e fique por dentro de tudo que acontece no Menos 1 Lixo!
Obrigado! Sua inscrição foi feita com sucesso!
Oops! Something went wrong while submitting the form.