Pequenos Lixos, Grandes Problemas | CANUDO

30/7/2018

No início desse mês, a prefeitura do Rio de Janeiro sancionou e regulamentou a Lei nº 6.384 que obriga restaurantes, bares, lanchonetes, barracas de praia e ambulantes a oferecerem canudos de papel biodegradável e/ou reciclável individual e hermeticamente embalados com papel semelhante.

O não cumprimento da lei gera, primeiro, uma advertência. Depois, com uma multa que dobra a cada reincidência. Ainda falta muito pra sociedade carioca aderir de fato à sustentabilidade, mas é um primeiro passo bem importante. É claro que isso pode gerar um outro problema, já que produtos com matérias-primas biodegradáveis, precisam estar em condições de biodegradabilidade pra sumirem no meio ambiente.

Mas é fundamental inserir o assunto no debate e por isso achamos a lei bem bacana. Muitos lixos pequenos são extremamente nocivos pra saúde do planeta e o canudo é um deles. Vamos começar falando sobre de onde ele veio?

Foto por Praveen Balasubramanian

O canudo foi pensado no final do século XIX nos Estados Unidos. Na época, uma bebida chamada mint julep, uma mistura de uísque, açúcar e menta era consumida com canudos de capim, porque eram servidas extremamente geladas. O capim deixava a bebida com um gosto diferente e um norte-americano, dono de uma fábrica de piteiras de papel, Marvin Stone, decidiu criar os canudinhos de papel em 1888.  E foi assim que eles ficaram cada vez mais populares, até serem feitos de plástico.

Só nos EUA, são consumidos (e descartados) 500 milhões de canudos por dia! No mundo, são mais de 1 bilhão, o que daria pra dar 5 voltas na Terra.  Eles demoram 450 anos pra sumirem na natureza e não duram mais de 5 minutos na nossa boca.

O grande problema dos canudinhos, além de serem feitos de plástico, claro, é que são confundidos pelos animais por comida, mandando uma mensagem pro cérebro de que estão saciados. Muitos morrem de inanição e outros com os órgãos perfurados. Você já deve ter visto aquele vídeo impactante de um canudo sendo retirado do nariz de uma tartaruga, né? Se não viu ainda, respira fundo e clica aqui.

A situação é mais grave do que a gente pensa. Audrey Azoulay. Diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), avisa sobre um novo continente feito de plástico:

Transportados pelas correntes marítimas, bilhões de fragmentos de plástico se juntam nos oceanos. Ao longo das últimas quatro décadas, a quantidade desse tipo de resíduo aumentou em 100 vezes no Oceano Pacífico, a ponto de formar o que se chama agora de ‘sétimo continente’ de plástico, uma vasta massa de lixo à deriva no Pacífico Norte, com uma área que corresponde a um terço dos Estados Unidos.

A Fe Cortez, que é defensora da Campanha Mares Limpos pela ONU Meio Ambiente no Brasil, frisa que já estamos bem equipados com as nossas bocas e que, se dispensamos o uso dos canudos em casa, por que mesmo usamos eles na rua? São 8 milhões de toneladas de lixo jogados no oceano todo ano, o que significa um caminhão a cada minuto. Foram 350 milhões de toneladas de plástico produzidos em 2016 e os canudos estão bem representados nessas estimativas.

Mas a lei sancionada pela prefeitura do Rio, por mais benéfica que possa ser para o meio ambiente, não atende todo mundo. Como os portadores de deficiência física e idosos, que necessitam dos canudinhos plásticos pela sua flexibilidade. É importante deixar claro que o grande problema do plástico pro planeta é o seu consumo em grande escala. Aqueles que não apresentam nenhum tipo de necessidade especial usam canudos descartáveis, muitas vezes pelo hábito de não recusá-los no restaurante

Se o canudo plástico é a melhor opção pra quem tem algum tipo de necessidade, ele precisa ser contemplado nessa ideia. Afinal, se apenas as pessoas que realmente necessitam do canudinho consumissem esse descartável, ele não seria um dos lixos mais encontrados no meio ambiente, né? A lei é muito nova e ainda preciso ser debatida a adaptada pra toda a sociedade.  

Para essa maioria que não necessita do canudo plástico, mas que não quer abrir mão do hábito, hoje em dia existem várias alternativas bacanas pra substituir os descartáveis: os canudos de vidro da Mentah, de inox da BeeGreen e os de bambu. Então, se você achar muito necessário, tenha o seu sempre com você e não gere esse lixo. Mas é sempre bom lembrar que o melhor canudo é aquele que a gente não usa. Quer saber mais? Assiste a nossa websérie #MaresLimpos e faça parte da campanha #PareDeChupar.

 

A lei no Rio de Janeiro foi sancionada pela pressão da população, com abaixo-assinado e cobrança de atitudes dos deputados e vereadores. Isso mostra a nossa força enquanto conjunto! Seja você também a mudança e estimule o processo na sua cidade. Além disso, questione os estabelecimentos que ainda distribuem os canudinhos plásticos e também quem consome. Incentive as medidas sustentáveis! Vamos juntxs?

Encontrou pelo Rio algum lugar que ainda tá usando canudo de plástico descartável? Denuncie! Manda pra gente uma foto e denuncie no 1746 da prefeitura do Rio.

Gostou do texto?
Compartilhe nas redes sociais esse conteúdo que você acabou de ler e ajude a espalhar a mensagem!
Sobre o movimento

Em 1º de Janeiro de 2015 nascia o Menos 1 Lixo, um desafio pessoal da Fe Cortez, de produzir menos lixo e provar que atitudes individuais somadas constroem um mundo mais sustentável.

Nossas redes
Principais tópicos
Tags em destaque

VOCê TAMBÉM PODE GOSTAR DE:

Vamos Juntx!

Assine a nossa Newsletter e fique por dentro de tudo que acontece no Menos 1 Lixo!
Obrigado! Sua inscrição foi feita com sucesso!
Oops! Something went wrong while submitting the form.