A Ecologia Profunda

A Ecologia Profunda

Publicado em:
22/3/2019
No items found.

A maneira como tratamos o planeta está intimamente relacionada à energia feminina que nos habita – homens e mulheres. Mas, e o que é o “feminino” em cada um de nós? É nosso poder de aceitação: aceitar os fatos como se apresentam, que as coisas muitas vezes não correspondem às nossas expectativas, que temos sombras, que luzes nos habitam, que o outro não é como gostaríamos que fosse. Aceitar em paz, enfim.

Feminino é amorosidade. É despertarmos para nossa capacidade de amar e de acolher: o outro, a natureza, a nós mesmos. Todo mundo sempre fala sobre amar, “ficar no coração”, mas como fazer isso? Através do silêncio. As respostas mais profundas surgem de dentro da gente pela nossa capacidade intuitiva quando nos permitimos silenciar a tagarelice. Quando silenciamos internamente fica mais fácil entrar em contato com nossa amorosidade.

As mães, biológicas ou não, representam a essência desse feminino dentro de nós. Nos harmonizarmos com elas significa ampliar nossa capacidade de amar, de perdoar, de aceitar, de acolher, de criar. Por isso, essa relação tão próxima entre curar nossa relação com nossas mães = curar nosso feminino = cuidar melhor do planeta. E esse processo é muito natural. Simplesmente acontece e começa de dentro para fora. Além disso, a Terra é mãe. Dela nasce tudo o que vemos. Abra os olhos e enxergue: tudo o que você vê foi parido dela, direta ou indiretamente. Inclusive você! Ao longo da vida teremos sempre duas mães, pelo menos.

Ilustração por Jean Jullien

Então, é essencial praticar o autocuidado – darei a mim o que mereço e o que me faz feliz. Me cercarei de pessoas que me fazem bem. Me harmonizarei com minha mãe. Terei momentos de calma e de paz em minha companhia. Me permitirei ficar mais tempo na natureza. Saberei me acolher e me aceitar, como sou. Me alimentarei de maneira saudável para mim e para o planeta. Realizarei atividades que alegram minha alma e promovem o bem ao meu redor. Saberei dar e receber abraços. Observarei o quanto ampliar minha amorosidade comigo mesmo me instiga a compartilhar esse amor com os outros. Meu autorrespeito se expandirá e chegará na amada Terra.

É assim que acontece. E, neste momento, da mãe e do feminino, presto aqui minha homenagem a outra grande mãe que habita o corpo da Terra e pela qual tenho profunda reverência: a Amazônia!

Sinceramente, eu oro e trabalho para que todas as pessoas consigam perceber o quanto estar nesta floresta potencializa, cura e nutre o feminino que nos habita. Por que? Ela é natureza extremamente abundante e viva, pulsante! Nos coloca em contato com nosso melhor. Desperta, em nós, virtudes como coragem, inocência, força, fé, humildade e amor: um belo passo para iluminar a longa jornada de cura da nossa energia feminina. Isso é Reconexão Amazônia, é reconexão consigo e com tudo. Estamos juntos nessa!

E agora te convido a embarcar comigo na experiencia de ecologia profunda pela cura do planeta e dessa parte tão especial da mãe Terra que é a Amazônia. A saber, a ecologia profunda é uma filosofia que tem 8 principio, cujo primeiro deles é toda forma de vida é sagrada e tem valor intrínseco independentemente do seu uso para o beneficio humano. Este termo foi cunhado por Arne Næss em 1973.

Primeiro, peço para fechar os olhos por um instante e se conectar com as batidas do seu coração. Isso mesmo. Por alguns minutinhos, ouça o seu próprio coração.

*

*

Agora que você o ouviu, te faço mais um pedido: clica na música abaixo (se preferir, tem também no Spotify) e deixe essa música tocar enquanto você lê o texto. Dá o play e vem comigo:

Agora não sou eu, mas o planeta Terra que vai falar com você. Leia vagarosamente…

*

“Querido filho, querida filha! Que alegria falar com seu coração nesse momento. Eu sei, os tempos andam difíceis e muitas vezes você tem vontade de fugir. Eu vejo e sinto seu sofrimento. Te acolho. Sinta.

Estou aqui para te lembrar de lembrar de olhar primeiro para a beleza do seu interior e cuidar muito bem dela para que você esteja forte o suficiente para fazer o que quer que seja por mim, com todas as formas de vida que carrego. Esta é minha primeira mensagem.

A outra é que existe uma parte de mim bem vulnerável nesse momento – são muitas, na verdade. Mas como você está no Brasil, te conto que a Amazônia precisa de sua ajuda e, principalmente, de seu amor.

Agora, ouvindo essa música, sinta o amor que te habita e emane à Grande Floresta todo amor que puder, com a intenção de que mais e mais pessoas em todo o mundo também sejam capazes de amá-la.

Agora expanda seu amor por todo o seu corpo…

Veja sua luz crescer ao ponto de inundar sua cidade, todos os países e continentes…, até atingir todo o meu corpo de planeta.

Seu potencial de me amar é ilimitado.

Compartilhe… isso!… me preencha com sua luz.

Quanto mais você compartilha, mais se torna capaz de iluminar.

Isso!

Sente algo? O que?

Esteja consciente de seus sentimentos e emoções.

Deixe fluir.

Sente uma alegria em seu interior?

Se acalma?

Repare…

Una-se com quem sente o mesmo e quer proteger a floresta.

Apoie iniciativas que toquem o seu coração.

Vá visitá-la. Imensa e poderosa que é.

A Amazônia precisa de você para continuar vivendo. E você precisa dela.

Apoie todas as iniciativas que puder. Faça o que seu coração mandar… você pode proteger a vida.

Eu sou vida.

Preciso de você. E você, de mim.

Anime-se e aja, todo dia, pelo mundo melhor que sonha.

Comece por você.

Me ajude a te ajudar.

Com amor,

Terra”

Você acha que apenas leu um texto agora? Não. Você atuou com seu amor como curador e curadora do mundo e a mudança mais radical que esperamos ver começa aí, com a irradiação de nosso melhor, de dentro para fora, para que nossos pensamentos, palavras e ações sejam coerentes com a nossa verdade interior.

Não existe jeito mais bonito de viver nessa nossa passagem tão rápida por aqui.

Respire fundo…

Que seu dia te abençoe com muitas alegrias, em seu passo a passo para fazer uma diferença positiva neste mundo. Diz o povo Hopi: nós somos aqueles por quem estávamos esperando.

Karina jornalista ambienta, fundadora do Reconexão Amazônia, Mestre em Ciências Holísticas pela Schumacher College e conectada com força da floresta
Karina Miotto
Por:
fundo
Gostou do texto?
Compartilhe nas redes sociais esse conteúdo que você acabou de ler e ajude a espalhar a mensagem!
Sobre o movimento

Em 1º de Janeiro de 2015 nascia o Menos 1 Lixo, um desafio pessoal da Fe Cortez, de produzir menos lixo e provar que atitudes individuais somadas constroem um mundo mais sustentável.

Nossas redes
Editorias
Tags em destaque

VOCê TAMBÉM PODE GOSTAR DE:

Vamos Juntas!

Assine a nossa Newsletter e fique por dentro de tudo que acontece no Menos 1 Lixo!
Obrigado! Sua inscrição foi feita com sucesso!
Oops! Something went wrong while submitting the form.